sábado, 6 de Abril de 2013

HISTORIA DO VITÓRIA DE SETÚBAL

HISTÓRIA
Vitória de Setúbal
Autor: João Pedro Silveira
copyright © zerozero.pt
Origens e primeiras vitórias
No  dia 10 de Novembro de 1910 após um desentendimento com os seus companheiros do Bomfim Foot-ball Club,  Joaquim Venâncio, Henrique Santos e Manuel Gregório, resolveram fundar um novo clube.
Joaquim Venâncio incentivava os colegas dissidentes com a frase: “a vitória será nossa”, e o clube Vitória se chamou.
A 20 de Novembro o clube estava formado, mas só a 5 de Maio do ano seguinte, na primeira Assembleia Geral da sua história, e por sugestão de Joaquim Correia da Costa o clube passa a chamar-se oficialmente Victória Foot-ball Club.
O Vitória inicia a participação em campeonatos inscrevendo-se na Associação de Lisboa, porque o Campeonato de Lisboa era o único disputado no país. Encontrando a forte oposição dos clubes lisboetas, que se recusavam a deslocar a Setúbal para jogar, os sadinos são obrigados a disputar todos os seus jogos na capital.
Após alguns sucessos nas segundas categorias do Campeonato Regional de Lisboa o Vitória participa nas primeiras categorias na época 1918/19.
Em 1926/27 os sadinos superiorizam-se a Sporting, Benfica e Belenenses e são coroados campeões de Lisboa.
Mais tarde, juntamente com outros clubes do Distrito, o Vitória funda a A.F. Setúbal e abandona a de Lisboa.
Em 1934/35 o Vitória é um dos oito clubes que disputam a 1ª edição da I Liga portuguesa. A primeira presença na final da Taça de Portugal chega em 1942/43, a segunda final chega em 1953/54.
A era dourada
A 16 de Dezembro de 1962 é inaugurado o novo Estádio do Bonfim. Inicia-se então período dourado do futebol setubalense em que num período de 13 anos o Vitória chegava a seis finais da Taça de Portugal – quatro delas consecutivas – e atingindo por quatro vezes o pódio do Campeonato Nacional.
Em 1962 o clube perde a final com o Benfica, mas três anos depois os sadinos vingam-se e batem o mesmo Benfica por 3x1 e conquistam a primeira Taça da sua história.
Um ano depois, no final da época 1965/66 o Vitória voltava ao Jamor, desta vez para defrontar o SC Braga, mas a sorte sorriu aos minhotos e aos vitorianos restaram as medalhas de consolação.
Demonstrando ser uma equipa especialista na competição, o Setúbal chegou pelo terceiro ano consecutivo à final, desta vez para defrontar a Académica de Coimbra.
Após um jogo intenso e muito disputado os vitorianos levaram a melhor após prolongamento (3x2).
Em 1968, pelo quarto ano consecutivo, repetindo um feito que até aí só o Benfica tinha conseguido o Vitória disputava a final. Desta vez o opositor era o FC Porto que venceu por 2x1 e levou a Taça para a Invicta.
Entre 1969/70 e 1973/74 o Vitória imiscui-se na luta entre Benfica e Sporting pelo título. Comandados por José Maria Pedroto, esta histórica equipa do Vitória que contava com o mágico Jacinto João “JJ”, e craques como Vítor Batista, Matine, José Maria, Conceição, Tomé, Octávio Machado, encantava o país e conseguiu ficar em 2º lugar em 1971/72, 3º em 1969/70, 1972/73 e 1973/74.
Mas não é só a nível interno que o Setúbal encanta, na Europa chega por quatro vezes aos quartos-de-final da Taça das FeirasUEFA, deixando pelo caminho equipas da craveira do Anderlecht, Leeds United, Spartak Moscovo, Lyon, Fiorentina e Inter de Milão.
Decadência e mais glórias...
Depois do 25 de Abril o Vitória entrou num período menos feliz da sua história.
Durante os anos 80 e 90 a instabilidade e os problemas de tesouraria tornam-se comuns para as bandas do Bonfim e o Vitória desce de divisão em 1986 depois de mais de vinte épocas entre os grandes.
Até 2004 os verde-e-brancos voltam a cair de divisão mais quatro vezes, mas é precisamente no ano do regresso à I liga em 2005 que o Vitória volta aos seus grandes momento vencendo o Benfica na final da Taça de Portugal por 2x1.
Em 2006 como que revivendo a sua época dourada, o Vitória voltava à final da Taça de Portugal, desta vez para perder com o FC Porto.
Pelo meio o Vitória perdeu as duas finais da Supertaça com Benfica e FC Porto, mas em 2008 numa época excelente dos sadinos comandados por Carlos Carvalhal, os sadinos chegam novamente à Europa com um 6º lugar, chegam à meia-final da Taça e conquistam a Taça da Liga batendo na final o Sporting após desempate por grandes penalidades.
Ou longo da sua gloriosa história o Vitória conquistou 3 Taças de Portugal e 1 Taça da Liga, além de conseguir um brilhante 2º lugar e quatro presenças nos quartos de final da Taça UEFA e Taças das Feiras, conseguindo assim com todo o mérito o estatuto de histórico do futebol português.